TIHANY: O BERÇO DA LAVANDAS

O mundo, ao menos no que concerne ao da perfumaria e limpeza, perderia uma bela fatia de sua existência com a retirada desse alicerce aromático. A História que os húngaros contam sobre Tihany é que Deus estava feliz quando a criou, e isso explicaria sua beleza única e sua energia que parece se distanciar de todos os problemas mundanos.

Com cisnes nadando à beira do Lago Balaton, plantações por todo o horizonte, construções super fofinhas e charmosas. Um digno cenário de conto de fadas, o que de fato é. Desde o século 19 um eco é ouvido localmente. De acordo com um conto local, uma princesa amaldiçoada foi sacrificada ali por seu coração ser muito duro e cruel, portanto, seria obrigada a responder a todos que ali falassem.

Um lugar que preza tanto por gentileza não poderia ser famoso por uma coisa diferente de flores, certo? Bem, o Jardim das Lavandas foi plantado logo depois da primeira guerra, trazida da França e se tornou um sucesso incrível, mas não pelos motivos de hoje, mas sim pelo seu óleo super volátil.

Hoje em dia Tihany usa sua lavanda para inúmeras coisas muito mais fofinhas, tais quais velas, sorvetes (deliciosos por sinal) e uma limonada local incrível, bem ao estilo europeu onde se faz infusão de alguns tipos de limão diferentes sem espremê-los, com o adicional de alguns ramos de lavanda: incrível!

A CIDADE DA GENTILEZA TAMBÉM É APIMENTADA

Se vier à Hungria, perceberá que a pimenta e temperos mais fortinhos são uma pedida bem comum nos mais variados restaurantes. Isso vem a se relacionar muito com os imigrantes indianos e árabes, que tomam ruas e mais ruas da Hungria. Não é à toa que temos tantos Quebabs, Gyros e outros pratos típicos do Oriente Médio por aqui.

Em Tihany a influencia não é tão grande na arquitetura nem na comida, mas foi forte o suficiente para criar uma casa inteiramente coberta por pimenta Chili no meio da praça principal. E ela fica assim sempre, tal qual muitas outras casas da região que secam sua própria pimenta para fazer o tempero ao estilo da família!

Se prepare para encontrar esse nome em muitos supermercados, marcas de salgadinhos e muito mais: Paprika. É o nome da citada casa, Paprikahaus, assim como de muitos outros lugares que vendem comidas bem temperadinhas. O toque de Paprika depois de um tempo se torna menos evidente, e quando comemos algo sem, até que sentimos falta.

VAMOS TURISTAR!

Cobrir toda Tihany à pé é mais que fácil, mas obrigatório. Você vai se divertir muito mais, encontrar coisas que só uma bela caminhada pelas ruas pequenas pode te propiciar. Nós mesmos encontramos alguns jardins particulares super fofinhos, viramos amigos de um gato de rua que passava lá e vimos algumas estátuas super diferentes espalhadas na cidade.

No fim de sua caminhada, tente terminar na Ortonory Lookout Tower, a vista de lá é linda, digna de um livro de geografia. A entrada, como quase tudo em Tihany é gratuita. O único tipo de pagamento que terá de fazer é o do esforço físico ao subir as escadas da torre construída em madeira.

Você pode entrar e experienciar desde igrejas antiguíssimas, assim como tuneis intermináveis que datam períodos pré-históricos onde a região ainda era um vulcão ativo e jorrava terra super fértil para cima. Talvez por isso a região seja conhecida por sua felicidade e riqueza.

Em todos cantos podemos ver belas flores, árvores imponentes e o melhor: pessoas felizes e gentis. Confessamos que uma das nossas melhores refeições da Hungria, foi um Langós de entrada com um Dumpling vegetariano de tirar o fôlego.

Foi lá também que comemos as famosas Poppy Seeds que falamos aqui, usadas num recheio de panquecas, e por mais que não tenham sido refinadas para virar ópio, posso dizer que foi uma sobremesa viciante!

CURTA CADA CENTIMETRO DA CIDADE!

A hospedagem por lá costuma ser bem barata, a cidade é bem turística, o que torna os hotéis cada vez melhores e com preços mais acessíveis em decorrência da demanda que recebem. Nossa dica é alugar um carro e circundar todo o lago Balaton, se possível.

Passando Tihany existem alguns vilarejos bem charmosos que são muito conhecidos pela sua produção de vinhos locais, na volta para Budapeste passamos por lá e foi um dos melhores vinhos que já provamos!

Já passou por aqui? O que curtiu mais? A comida, as pessoas, a arquitetura? Difícil dizer, certo? Me pego sem conseguir escolher o tempo todo!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...